Cláudia News

Onze cidades de MT têm falta de vacinas para aplicar a 2ª dose, diz CNM

Além disso, sete municípios mato-grossenses ficaram sem vacinas para a aplicação da primeira dose no grupo prioritário.

Foto: Instituto Butantan/Divulgação

Onze municípios de Mato Grosso afirmaram em pesquisa realizada na última semana pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) que ficaram sem vacina para aplicação da segunda dose no prazo estipulado pelo informe do imunizante.

Além disso, sete municípios mato-grossenses ficaram sem vacinas para a aplicação da primeira dose no grupo prioritário.

Segundo a CNM, os nomes das cidades não divulgados para preservar a autonomia de cada um.

Entre os municípios que suspenderam a aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 na semana passada por falta do imunizante Coronavac, segundo levantamento do G1, estavam: Rondonópolis, Barra do Garças, Sinop e Poxoréu.

O primeiro município a suspender foi Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, no dia 22 de abril. A prefeitura retomou a aplicação na semana passada, mas o estoque chegou ao fim pela segunda vez, e a campanha foi suspensa novamente na quinta-feira (29).

No quarta-feira (28), Poxoréu informou a suspensão da aplicação e disse que aguardava novas doses.

As prefeituras de Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, e de Sinop, no norte do estado, também suspenderam a aplicação da segunda dose na quinta-feira (29).

O problema da falta de segunda dose nos estados acontece depois de o Ministério da Saúde, então dirigido pelo general Eduardo Pazuello, ter recomendado o uso de todo o estoque da vacina como primeira dose após "garantia da segurança das entregas por parte dos fornecedores". Depois, mudou a orientação ao recomendar reserva de imunizantes.

Além das cidades de Mato Grosso, cidades de ao menos 18 estados suspenderam a aplicação da 2ª dose da CoronaVac por falta de imunizante nesta semana.

A CoronaVac tem de ser aplicada em um intervalo de até 28 dias. Se houver atraso, a orientação é tomar o quanto antes e o atraso, segundo o Ministério da Saúde, não compromete a imunização da população

 

Fonte

G1
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Onze cidades de MT têm falta de vacinas para aplicar a 2ª dose, diz CNM

G1

Onze municípios de Mato Grosso afirmaram em pesquisa realizada na última semana pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) que ficaram sem vacina para aplicação da segunda dose no prazo estipulado pelo informe do imunizante.

Além disso, sete municípios mato-grossenses ficaram sem vacinas para a aplicação da primeira dose no grupo prioritário.

Segundo a CNM, os nomes das cidades não divulgados para preservar a autonomia de cada um.

Entre os municípios que suspenderam a aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 na semana passada por falta do imunizante Coronavac, segundo levantamento do G1, estavam: Rondonópolis, Barra do Garças, Sinop e Poxoréu.

O primeiro município a suspender foi Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, no dia 22 de abril. A prefeitura retomou a aplicação na semana passada, mas o estoque chegou ao fim pela segunda vez, e a campanha foi suspensa novamente na quinta-feira (29).

No quarta-feira (28), Poxoréu informou a suspensão da aplicação e disse que aguardava novas doses.

As prefeituras de Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, e de Sinop, no norte do estado, também suspenderam a aplicação da segunda dose na quinta-feira (29).

O problema da falta de segunda dose nos estados acontece depois de o Ministério da Saúde, então dirigido pelo general Eduardo Pazuello, ter recomendado o uso de todo o estoque da vacina como primeira dose após "garantia da segurança das entregas por parte dos fornecedores". Depois, mudou a orientação ao recomendar reserva de imunizantes.

Além das cidades de Mato Grosso, cidades de ao menos 18 estados suspenderam a aplicação da 2ª dose da CoronaVac por falta de imunizante nesta semana.

A CoronaVac tem de ser aplicada em um intervalo de até 28 dias. Se houver atraso, a orientação é tomar o quanto antes e o atraso, segundo o Ministério da Saúde, não compromete a imunização da população

 

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Parceiros