Cláudia News

Balsa do Rio Xingu vai suspender operação por tempo indeterminado para proteger indígenas do coronavírus em MT

Os índios vão suspender as operações da balsa sobre o rio Xingu a partir desta quarta-feira (25).

divulgação

A balsa “Estradeiro I” e o rebocador “Estradeiro II”, utilizados na travessia do Rio Xingu, em São José do Xingu, a 931 km de Cuiabá, vão suspender suas operações a partir desta quarta-feira (25). A medida foi adotada como prevenção e combate ao avanço do coronavírus (Covid-19) em Mato Grosso.

As embarcações são mantidas pela comunidade da etnia Kayapó, que decidiu suspender as atividades por tempo indeterminado, a fim de preservar a segurança e saúde dos indígenas da região, especialmente da reserva indígena “Capot Jarina”.

Isto porque a embarcação que os índios administram está localizada a 42 quilômetros de São José do Xingu, nesta reserva indígena, dentro do Parque Nacional do Xingu, no prolongamento da MT-322, sob responsabilidade do governo estadual.

De acordo com o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, foram tentados alguns acordos junto às lideranças indígenas para a manutenção do serviço, com horários reduzidos e com a adoção das medidas de prevenção cabíveis, de forma a não prejudicar o deslocamento das pessoas nestes locais, muitas delas da própria região.

Porém, os índios insistiram em parar as operações. “O funcionamento da embarcação é dos índios e o estado não tem objeções quanto a essa questão. Como os índios insistiram em suspender as atividades, coube a nós acatar o pedido deles”, explicou o secretário.

 

Outras balsas

 

Apesar da suspensão das operações da balsa sobre o rio Xingu, as demais operações de transporte hidroviário em Mato Grosso seguem normalmente, com a adoção de medidas de prevenção ao coronavírus. Continuam operando as balsas que fazem a travessia sobre os rios Arinos, Verde, Juruena, Teles Pires, Apiacás e Rooselvelt.

 

Fonte

Por G1 MT
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Balsa do Rio Xingu vai suspender operação por tempo indeterminado para proteger indígenas do...

Por G1 MT

A balsa “Estradeiro I” e o rebocador “Estradeiro II”, utilizados na travessia do Rio Xingu, em São José do Xingu, a 931 km de Cuiabá, vão suspender suas operações a partir desta quarta-feira (25). A medida foi adotada como prevenção e combate ao avanço do coronavírus (Covid-19) em Mato Grosso.

As embarcações são mantidas pela comunidade da etnia Kayapó, que decidiu suspender as atividades por tempo indeterminado, a fim de preservar a segurança e saúde dos indígenas da região, especialmente da reserva indígena “Capot Jarina”.

Isto porque a embarcação que os índios administram está localizada a 42 quilômetros de São José do Xingu, nesta reserva indígena, dentro do Parque Nacional do Xingu, no prolongamento da MT-322, sob responsabilidade do governo estadual.

De acordo com o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, foram tentados alguns acordos junto às lideranças indígenas para a manutenção do serviço, com horários reduzidos e com a adoção das medidas de prevenção cabíveis, de forma a não prejudicar o deslocamento das pessoas nestes locais, muitas delas da própria região.

Porém, os índios insistiram em parar as operações. “O funcionamento da embarcação é dos índios e o estado não tem objeções quanto a essa questão. Como os índios insistiram em suspender as atividades, coube a nós acatar o pedido deles”, explicou o secretário.

 

Outras balsas

 

Apesar da suspensão das operações da balsa sobre o rio Xingu, as demais operações de transporte hidroviário em Mato Grosso seguem normalmente, com a adoção de medidas de prevenção ao coronavírus. Continuam operando as balsas que fazem a travessia sobre os rios Arinos, Verde, Juruena, Teles Pires, Apiacás e Rooselvelt.

 

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Parceiros